Voltar 

Clique em baixo

            A Festa da castanha de 2003            

     =Fotos e cenas da festa <=

 
 
                      
A Câmara de Sernancelhe veio mais uma vez promover a castanha do concelho através da realização da Festa da Castanha, que se realizou nos dias 25 e 26 de Outubro. Conhecida fora de portas pelo epíteto "capital da castanha", Sernancelhe produz anualmente 1400 toneladas deste fruto, que abunda essencialmente nos soutos de Sernancelhe, Sarzeda, Granjal, Vila da Ponte, Lamosa e Chosendo.

    

    


Houve
Feira-concurso com mais de duas dezenas de produtores dos Soutos da Lapa

Uma campanha acima de todas as expectativas. É a opinião partilhada por técnicos, produtores e comerciantes de castanha dos Soutos da Lapa, que compreende freguesias de oito concelhos do Douro Sul (norte do distrito de Viseu) e dois da Guarda.

"Ao contrário do que se temia, por causa das temperaturas quentes registadas no Verão, a colheita acabou por superar as melhores estimativas. A produção foi grande e a qualidade excelente", afirma Pedro Dias, engenheiro técnico agrário, que foi um dos
elementos do júri que classificou as melhores castanhas a concurso em Sernancelhe.

O certame, decorreu fundamentalmente nos dias 25 e 26 de Outubro, junto ao edifício dos Paços do Concelho, e contou com a participação



 de 20 produtores e de entidades ligadas à actividade económica. Em paralelo, foi leccionado, o início de um curso, sobre a produção de castanha.
Nos dois últimos dias do mês de Outubro, o Mercado Abastecedor da Região de Lisboa recebe uma mostra promocional da castanha de Sernancelhe.
A região demarcada dos Soutos da Lapa é responsável pela produção anual de cerca de seis mil toneladas. A maioria é comercializada sem o selo de certificação. Uma questão de não preocupa os principais agentes pelo escoamento do produto.

"Não é uma mais-valia sob o ponto de vista comercial. Os nossos clientes o que exigem é castanha de qualidade. E essa, pode ser aferida a olho nu, sem necessidade de um selo que a certifique", diz uma das principais intermediárias.

"Os custos da certificação são muito elevados. Não compensam. O ano passado foi colocado no mercado cerca de meia tonelada de castanha nessas condições, e ficou provado que o processo implica encargos incomportáveis", referiu um elemento, da "Frusantos", a principal empresa ligada à comercialização nos Soutos da Lapa, que antevê colocar no mercado, deste ano, cerca de 1700 toneladas.

"Metade é vendida em Portugal, a outra será exportada para países como a Itália, Canadá, Brasil, França e Espanha".
A mais bem estruturada empresa de comercialização da castanha dispõe já de métodos inovadores de esterilização da castanha, através da água. Um sistema que só mais uma outra empresa no país adopta.

  Voltar